Perspetivas económicas em África 2017

Perspetivas económicas em África 2017

Empreendedorismo e industrialização You or your institution have access to this content

OECD Development Centre

Portuguese
Click to Access: 
    http://oecd.metastore.ingenta.com/content/411709ue.pdf
  • PDF
  • http://www.keepeek.com/Digital-Asset-Management/oecd/development/perspetivas-economicas-em-africa-2017_9789264278707-pt
  • READ
Author(s):
AfDB, OECD, UNDP
11 Aug 2017
Pages:
316
ISBN:
9789264278707 (PDF) ;9789264278691(print)
http://dx.doi.org/10.1787/9789264278707-pt

Hide / Show Abstract

O relatório Perspetivas Económicas em África 2017 apresenta a situação atual do continente africano e as previsões para os próximos dois anos. Este relatório anual analisa o desempenho de África em áreas fundamentais: macroeconomia, fluxos financeiros externos e receitas fiscais, políticas comerciais e integração regional, desenvolvimento humano e governação. Na sua 16ª edição, o relatório analisa de forma detalhada o papel dos empreendedores no processo de industrialização em África. O relatório propõe medidas práticas que os governos africanos poderão adotar, com vista à implementação de estratégias de industrialização eficazes. As políticas que visam a melhoria das competências, os clusters empresariais e o financiamento das empresas podem eliminar importantes obstáculos que pendem sobre as empresas africanas privadas. A secção com notas individuais de cada país resume o crescimento económico recente, as previsões sobre o produto interno bruto em 2017 e 2018 e salienta as principais questões sobre as políticas, enfrentadas por cada um dos 54 países africanos. O anexo estatístico (disponível apenas online) compara variáveis económicas, sociais e políticas específicas de cada país.

Also available in English, French
loader image

Expand / Collapse Hide / Show all Abstracts Table of Contents

  • Mark Click to Access
  • Prefácio

    O relatório anual Perspetivas económicas em África (PEA) monitora o estado atual do continente por meio de uma abordagem colaborativa. O PEA avalia a recente situação económica e social em África, projeta a evolução provável para o futuro próximo e explora um tema especial relativo à estrutura das economias africanas. O PEA 2017, a 16ª edição do relatório, examina o empreendedorismo e a industrialização em África. O relatório é o produto de uma parceria única entre três organizações internacionais: o Banco Africano de Desenvolvimento, o Centro de Desenvolvimento da OCDE e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

  • Editorial

    A 16ª edição do Perspetivas económicas em África evidencia o facto de que o desempenho económico africano está a refletir os perigos da economia global. O crescimento real do PIB da região abrandou para 2.2% em 2016, devido sobretudo à contínua queda nos preços das matérias-primas e ao fraco crescimento económico mundial. A África Oriental foi a região que registou o mais rápido crescimento, com 5.3% de crescimento real do PIB, seguida do Norte de África, com 3%. O crescimento nas outras regiões foi anémico, variando de um mínimo de 0.4% na África Ocidental, arrastado pela recessão na Nigéria, para 1.1% na África Austral, com a África do Sul, a maior economia da região, registando apenas 0.3% de crescimento.

  • Sumário executivo

    O relatório Perspetivas Económicas em África (PEA) 2017 demonstra que o desempenho do continente em 2016 foi irregular no que diz respeito a indicadores económicos, sociais e de governação, embora as perspetivas para 2017 e 2018 sejam favoráveis. Esta edição do PEA analisa ao pormenor a forma como os empresários africanos podem acelerar a industrialização do continente com vista a mudar o curso do desenvolvimento, debatendo também as políticas necessárias para promover um crescimento mais sustentável e inclusivo.

  • Add to Marked List
  • Expand / Collapse Hide / Show all Abstracts O desempenho eas perspetivas de África

    • Mark Click to Access
    • Perspetivas macroeconómicas em África

      Este capítulo analisa as condições macroeconómicas nas diversas regiões e países de África, bem como no continente como um todo. Salienta as tendências de crescimento verificadas no passado e projeta o crescimento para 2017-18 tendo por base as dinâmicas e choques prevalecentes ao nível global, regional e interno. Ele examina os principais fatores de crescimento, tanto do lado da oferta como da procura, e disponibiliza uma comparação regional, baseada na estrutura das economias africanas. Este capítulo analisa, igualmente, as políticas orçamental, monetária e financeira, assim como as componentes externas que sustentam o desempenho recente do crescimento e que provavelmente modelarão as trajetórias de crescimento dos países africanos no futuro.

    • Fluxos financeiros externos e receitas fiscais em África

      Este capítulo aborda as tendências recentes dos fluxos financeiros externos que têm África como destino, bem como a evolução das receitas internas. Em particular, ele analisa a evolução do investimento direto estrangeiro (IDE), do investimento de carteira, das remessas e da ajuda pública ao desenvolvimento entre 2015 e 2016, bem como as perspetivas para 2017. A crescente importância dos fluxos privados relativamente aos fluxos públicos é destacada. O capítulo é concluído com a descrição da evolução das receitas internas entre 2005 e 2015 e com a análise dos desafios que se colocam ao aumento da capacidade de coleta e mobilização dessas mesmas receitas.

    • Políticas comerciaise integração regional em África

      O comércio intra-africano e as relações comerciais do continente com o resto do mundo estão em mutação acelerada. Este capítulo é composto por cinco secções e centra-se na diversificação dos produtos e parceiros comerciais de África, bem como no potencial de progresso no futuro. Analisa a evolução económica global, explica as oito comunidades económicas regionais, as suas políticas e iniciativas de integração, e avança com ideias sobre como o setor privado em África pode capitalizar as oportunidades apresentadas pelas cadeias de valor regionais e globais.

    • Desenvolvimento humano em África

      Este capítulo analisa o desenvolvimento humano em África e as suas relações estreitas ao empreendedorismo. Salienta a importância de investir nas pessoas – incluindo na sua saúde e nutrição, conhecimento e competências, meios de subsistência e emprego digno – para dar impulso a atividade empresarial no continente africano. Ele debate ações estratégicas para alcançar uma redução significativa dos fatores de risco, ligados a progressos futuros, como o desemprego, a desigualdade e a vulnerabilidade.

    • Governação política e económica em África

      Este capítulo aborda os dados mais recentes sobre a governação em África, com o objetivo de analisar a eficácia das instituições públicas em sustentar o desenvolvimento no continente africano. Nesse contexto, analisa-se as reivindicações relativas às políticas públicas, os atuais desafios em suprir as necessidades relacionadas, bem como exemplos de boas iniciativas que constituem bases para o futuro. As principais questões de interesse são as seguintes: O que sabemos sobre as reivindicações dos cidadãos para a governação económica e política em África? Qual o desempenho atual das instituições públicas na resposta a estas reivindicações? Quais os exemplos de iniciativas políticas que conduzem à obtenção de resultados em África? Em primeiro lugar, são apresentadas as principais constatações e, nas secções seguintes, são fornecidos os detalhes sobre como essas conclusões foram obtidas.

    • Add to Marked List
  • Expand / Collapse Hide / Show all Abstracts Empreendedorismo e industrialização

    • Mark Click to Access
    • Melhorar o empreendedorismo para impulsionar a industrialização em África

      Este capítulo situa África no que diz respeito a industrialização. Em primeiro lugar, demonstra a presença da industrialização africana nas agendas políticas e debate os principais motivos pelos quais África ainda não se industrializou. Em segundo lugar, o capítulo debruça-se sobre o papel da indústria transformadora e as potencialidades de outros setores económicos na quarta revolução industrial. Por fim, contempla o panorama empreendedor do continente e identifica os tipos de empresário que poderão fomentar a industrialização. Examina especificamente a prevalência em África de empresários rurais, em fase inicial e daqueles que se tornaram empreendedores devido ao aparecimento de oportunidades, bem como da presença relativa de empreendedoras do género feminino.

    • Criar, executar e avaliaras estratégias de industrialização africanas

      Este capítulo analisa as estratégias nacionais de industrialização existentes em África. Começa por olhar para a criação das estratégias de industrialização do continente, o papel das políticas industriais e até que ponto estas apoiam o empreendedorismo. Em seguida, discute a implementação através da coordenação do trabalho dos governos nacionais e subnacionais e da melhoria das capacidades do governo. Por último, este capítulo examina a necessidade de monitorização das políticas e de avaliação do impacto para o êxito das estratégias de industrialização.

    • Políticas de promoção do empreendedorismo para a industrialização africana

      Este capítulo identifica as restrições mais vinculativas que os empresários africanos enfrentam e concentrase em três domínios importantes da política, de modo a auxiliar os empresários no seu contributo para a industrialização. Para fortalecer as empresas africanas, os governos devem desenvolver as competências dos empresários, melhorar as infraestruturas, nomeadamente nos clusters empresariais, e facilitar o financiamento. Em primeiro lugar, este capítulo discute formas de promover a educação e a formação profissional para empresários e trabalhadores assalariados. Em segundo lugar, examina o modo como os clusters podem fazer a industrializaçãose desenvolver, fornecendo condições propícias ao crescimento das empresas africanas. Em terceiro lugar, explora formas de financiamento de pequenas e médias empresas, incluindo as empresas com elevadas potencialidades. Propõe ainda meios para a cooperação entre os governos e o setor privado na conceção e implementação das políticas necessárias.

    • Add to Marked List
 
Visit the OECD web site